Descubra o que é a epilepsia catamenial: causas e sintomas - a:care Abbott

arrow-image
icon

Descubra o que é a epilepsia catamenial: causas e sintomas

A epilepsia catamenial refere-se ao agravamento das crises em mulheres com relação ao período do ciclo menstrual.

Epilepsia

Descubra o que é a epilepsia catamenial: causas e sintomas

A epilepsia catamenial é um tipo específico de epilepsia, no qual a frequência das crises é intensificada durante certas fases do ciclo menstrual. Uma mulher com esse tipo de epilepsia pode ter crises apenas antes ou durante a menstruação ou quando estão no período de ovulação. Estudos sugerem que a epilepsia catamenial atinge um número de 10% a 70% das mulheres com epilepsia.

É importante saber que essa condição apresenta três padrões de agravamento da crise:

  • Pré-menstrual;
  • No momento da ovulação;
  • Ao longo da segunda metade do ciclo menstrual.

O agravamento das crises durante a época da menstruação ou ovulação ocorre em mulheres com ciclos menstruais normais. Já o agravamento nas mulheres com ciclos irregulares pode ocorrer na segunda metade do ciclo (chamada também de fase lútea, ou seja, que começa logo após a ovulação e dura até que o seu ciclo menstrual comece novamente). Algumas mulheres podem ter ciclos anovulatórios (quando os ovários não liberam um óvulo durante um ciclo menstrual) e uma síndrome de fase lútea inadequada. Por não ovularem, nenhum óvulo é liberado durante a segunda metade do ciclo menstrual e nenhuma progesterona (hormônio produzido no ovário, que prepara a mulher para a gestação) é secretada.

A epilepsia catamenial é afetada pelos hormônios estrogênio (hormônio liberado na primeira fase do ciclo menstrual) e progesterona. A quantidade deles no corpo muda ao longo do ciclo da mulher. E o que isso significa? Que a queda da progesterona antes da menstruação e o aumento no estrogênio durante a ovulação podem ser responsáveis por uma crise.

Na epilepsia catamenial, se você tem crises de início focal - aquelas que se originam em apenas uma parte do cérebro e nem sempre atingem a consciência - é possível que você apresente um ou mais dos seguintes sintomas: movimentos bruscos, dormência, tonteira, sensação de estômago cheio, movimentos repetitivos, olhos arregalados, confusão e mudança nas emoções. Em caso de crises de início generalizado, com origem nos dois lados do cérebro e com perda de consciência, você pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas: convulsões, gritos ou sons, corpo rígido, movimentos de sacudir e de contração, queda, perda de consciência, ausência de respiração, confusão, perda de controle da bexiga e mordidas na língua.

Sobre os exames disponíveis

 

Eletroencefalograma (EEG)

Grava a atividade elétrica no cérebro e mostra padrões incomuns de atividade elétrica. O mais utilizado para diagnosticar a epilepsia catamenial. Um fato importante é que diferentes tipos de crises podem ser identificados com esses padrões.

Ressonância magnética (MRI) e a tomografia computadorizada (CT)

Podem ser usadas para estudar a condição. Essas imagens podem também mostrar onde a crise está ocorrendo no cérebro. Os exames podem excluir outras possíveis causas, como acidente vascular cerebral.

Fique atenta!

Se você é mulher e tem epilepsia, é recomendrado manter um diário com o registro de suas crises e ciclos menstruais. O médico pode estudá-los para avaliar se há alguma conexão entre ambos.

Sobre tratamento

O uso de medicação é o tratamento mais comum para a epilepsia catamenial, que inclui:

  • Medicamentos anticonvulsionantes;
  • Medicamentos para ajustar os níveis hormonais do corpo.

A dose de medicamentos anticonvulsivantes pode ser aumentada logo antes do momento do ciclo que costuma gerar as crises. O objetivo é prevenir que elas aconteçam. Já os medicamentos que ajudam a alterar os níveis de progesterona e estrogênio no corpo podem incluir: contraceptivos orais, progesterona natural e o clomifeno (medicamento sintético que estimula a ovulação, normalmente usado para tratar a infertilidade em mulheres). Em casos extremos, a cirurgia para remover os ovários pode ser a solução para tratar a condição.

É importante tratar esse tipo de epilepsia para impedir não apenas as crises, mas os efeitos indesejáveis em longo prazo, como menor densidade óssea, ciclo menstrual irregular, amenorreia (ausência de menstruação), problemas emocionais e riscos de gravidez.

 

Referências bibliográficas

1. Cedars-Sinais. Catamenial Epilepsy. Acessado em: 25 nov 2018. Disponível em: <https://www.cedars-sinai.edu/Patients/Health-Conditions/Catamenial-Epilepsy.aspx>.

2. Schachter SC et al. The comprehensive evaluation and treatment of epilepsy. San Diego: Academic Press; 1997.

3. Iyengar S. Basics about Catamenial Epilepsy. Basic Sciente; 2016.

4. Verrotti A et al. Catamenial epilepsy: hormonal aspects. Gynecological endocrinology: the official journal of the International Society of Gynecological Endocrinology. 2010;26(11):783-90.

Material destinado ao público geral

BRAAV190700b - JUNHO/2019