Tenho arritmia. É o mesmo que fibrilação atrial?

Arritmias e qualidade de vida
Seu comprometimento com o tratamento é fundamental para a melhor qualidade de vida.

Embora estejam relacionados, fibrilação atrial e arritmia não são a mesma coisa. Para explicar a diferença, primeiro vamos entender melhor como funciona o ritmo do nosso coração.

Um coração sadio e relaxado bate entre 60 e 100 vezes porminuto.1 Essa frequência varia ao longo do dia e depende do nível de atividade que estamos realizando e da quantidade de oxigênio necessária para realizar cada atividade.2,3 O ritmo das contrações do nosso coração garante que o sangue seja distribuído por todo o nosso corpo. Mas qual é o mecanismo que faz nosso coração bater?

Vamos conhecer melhor a anatomia do coração

Nosso coração tem 4 cavidades, ou câmaras: duas na parte superior e duas na parte inferior. Elas são chamadas de átrios e ventrículos, respectivamente.1,2,4 Tanto os átrios quanto os ventrículos também se dividem em 2 lados, direito e esquerdo. O átrio direito recebe o sangue que vem das diversas partes do corpo, enquanto os ventrículos funcionam como uma espécie de bomba, distribuindo esse sangue para todos os órgãos.1,2
Anatomia do coração: átrios e ventrículos
Anatomia do coração

Como você já pode ter ouvido falar, o coração é um músculo, que se contrai e relaxa o tempo todo, num movimento que leva o sangue rico em oxigênio a circular pelo nosso corpo, chegando aos órgãos como cérebro e pulmão, por exemplo. Quando o coração se contrai, o sangue é bombeado e, quando ele se relaxa, o sangue preenche suas cavidades. Em um coração que está funcionando corretamente esses movimentos são organizados e acontecem sem mudanças repentinas de ritmo.1,4,5

Habitualmente, os intervalos entre as batidas do nosso coração podem se acelerar se houver um estímulo, como uma atividade física, uma movimentação intensa ou uma necessidade de esforço fora do normal, ou ficar mais lentos se estivermos em repouso, dormindo por exemplo.2,3

Esse ritmo sempre constante e sincronizado das batidas do coração é possível graças a um sistema elétrico natural, que tem origem dentro do átrio direito.

Em algumas situações ou condições de saúde esses impulsos elétricos podem se tornar instáveis e desordenados, e isso altera o ritmo cardíaco. São essas alterações do ritmo do coração que chamamos de arritmias.2

Existem tipos diferentes de arritmias: as taquicardias (quando o coração bate rápido demais) e as bradicardias (quando as batidas ficam muito lentas). Também pode acontecer de os dois tipos se alternarem em um mesmo paciente, que em alguns momentos fica com o ritmo muito acelerado e, em outros, com o ritmo lento demais.2,5,7

Algumas arritmias são benignas, ou seja, não trazem nenhum risco à vida.5 Porém, tanto as arritmias benignas quanto as mais graves podem ser assintomáticas, o que quer dizer que, no seu dia a dia, o paciente não consegue perceber nada de errado com o seu coração.6 Por isso é importante manter uma rotina de consultas ao médico: só ele é capaz de avaliar clinicamente o paciente e realizar ou solicitar exames, como o eletrocardiograma, que detecta alterações ou instabilidades no ritmo cardíaco.6

Dentre as arritmias existentes, a fibrilação atrial é uma das mais comuns. Nela, a atividade elétrica do coração entra numa completa desorganização, e isso resulta em um ritmo cardíaco muito rápido e irregular.3,6

Na fibrilação atrial as paredes dos átrios deixam de se contrair da maneira correta, e passam apenas a tremer (ou fibrilar, daí vem o nome “fibrilação”). Com isso, os átrios perdem a capacidade de bombear corretamente o sangue para os ventrículos. Esse sangue que não conseguiu ser bombeado de maneira correta acaba ficando “empoçado” nos átrios, e isso aumenta a chance dele se transformar em coágulos.1,2

A formação de coágulos pode representar um risco à saúde e até à vida, pois existe o risco deles se deslocarem através da corrente sanguínea e chegarem ao cérebro, por exemplo, provocando um AVC (derrame).8,9

O que é AVC?

AVC é a sigla para Acidente Vascular Cerebral. Mais conhecido como derrame, o AVC ocorre devido a uma interrupção do fluxo de sangue para o cérebro, que pode ser causada pelo rompimento ou pelo bloqueio de um dos vasos que irrigam o cérebro, o que provoca a paralisia da área que ficou sem circulação.10

Quais são os sintomas da fibrilação atrial?

Nem sempre a fibrilação atrial vem acompanhada de sintomas. Os sintomas que podem estar relacionados à fibrilação atrial são:5,6

  • Palpitação, taquicardia
  • Pulso irregular
  • Fraqueza, cansaço
  • Tontura, vertigem
  • Náuseas
  • Confusão mental
  • Dor no peito
  • Visão turva
  • Desmaios
  • Suor frio
  • Mal-estar
  • Falta de ar

Como se manter saudável?

A maioria dos casos de fibrilação atrial não tem cura, mas é uma doença que pode ser prevenida e tratada.6,8

O tratamento vai depender do diagnóstico sobre o que está causando a fibrilação atrial. Uma vez estabelecida a causa, seu médico pode recomendar o uso de medicamentos de uso contínuo para controlar a frequência e o ritmo cardíaco, para evitar a coagulação do sangue e para repor nutrientes importantes.2,3,9

Seu comprometimento com o tratamento é fundamental para a melhor qualidade de vida. Visitar periodicamente o médico, seguir suas recomendações, tomar corretamente seus medicamentos e adotar novos hábitos de dieta e exercícios podem trazer uma melhora significativa ao paciente.2

Referências:

  1. SANTOS, Vanessa Sardinha dos. “Coração humano”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/coracao-humano.htm. Acesso em 09de julho de 2020
  2. SOBRAC. Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas [homepage na internet]. Arritmias cardíacas: 10 informações úteis para seu coração bater no ritmo certo. [Acesso em 09/07/2020] Disponível em: https://sobrac.org/publico-geral/?p=4463
  3. Portal Prevenção SBC. [homepage na internet]. Arritmias Cardíacas. [Acesso em 09/07/2020] Disponível em: http://prevencao.cardiol.br/doencas/arritmia-cardiaca.asp
  4. Lado a lado pela vida. [homepage na internet]. Arritmia Cardíaca. Acesso em 07/07/2020. Disponível em: https://www.ladoaladopelavida.org.br/arritmia-cardiaca-o-que-e-doencas-cardiovasculares
  5. Dr Henrique Grinberg [homepage na internet]. Grinberg, H. Arritmia cardíaca: quais os possíveis tratamentos? Publicado em 13/06/2019. [Acesso em 07/07/2020]. Disponível em: https://www.drhenriquegrinberg.com.br/arritmia-cardiaca-quais-os-possiveis-tratamentos/?gclid=EAIaIQobChMIu-ux_KW-6gIVDIiRCh1xHgQqEAAYASAAEgKuM_D_BwE
  6. Sírio Libanês. [homepage na internet]. Fenelon, G. Coração rápido e desgovernado: a fibrilação atrial. Publicado em 19/12/2019. [Acesso em 07/07/2020]. Disponível em: https://hospitalsiriolibanes.org.br/imprensa/noticias/Paginas/Coracao-rapido-e-desgovernado-a-fibrilacao-atrial.aspx
  7. Simon, C; Everett, H; vanDorp, F. Oxford handbook of general practice. 3rd ed. p 308. Oxford University Press, 2010
  8. SOBRAC – Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas [homepage na internet]. No dia mundial do coração, SOBRAC alerta para a prevenção da FA, que pode causar AVC. [Acesso em 08/07/2020]. Disponível em: https://sobrac.org/home/no-dia-mundial-do-coracao-sobrac-alerta-para-a-prevencao-da-fibrilacao-atrial-arritmia-cardiaca-que-pode-causar-o-avc/
  9. American Heart Association (homepage na internet). Treatment and prevention of atrial fibrillation. Acesso em: 07/24/2020. Disponível em: https://www.heart.org/en/health-topics/atrial-fibrillation/treatment-and-prevention-of-atrial-fibrillation
  10. Ministério da Saúde [homepage na internet]. AVC: o que é, causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção.[Acesso em 08/07/2020]. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/acidente-vascular-cerebral-avc

Material destinado ao público em geral.

Agosto/2020

BRZ2148802